Médicos em Feira entregam cargos em protesto contra Sesab

Quem precisou fazer um procedimento cirúrgico nesta quarta-feira, 2, no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA) em Feira de Santana, distante 109 quilômetros de Salvador, voltou para casa sem ser atendido. O motivo é que os médicos cirurgiões e ortopedistas da unidade entregaram o cargo em protesto ao descumprimento de contrato de trabalho pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab). Ao todo 35 profissionais atendem na unidade, destes 8 são concursados. Por mês o HGCA realiza em média 347 cirurgias eletivas e 310 de emergência, segundo dados da unidade. De acordo com o Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed-BA) os médicos resolveram entregar o cargo, após meses de negociações que não surtiram efeito. Uma das reivindicações principais é sobre o vinculo trabalhista que eles defendem que sejam revertidos de Pessoa Juridica para CLT, ou seja de carteira assinada. "Atualmente os médicos trabalham com nota fiscal, o que para eles não é válido, uma vê que não podem descansar e se quer adoecer, já que não há garantias. Queremos que seja revertido para carteira assinada. Além disto defendemos um concurso para a categoria", disse Francisco Magalhães, presidente do Sindimed-BA. Ainda segundo Magalhães, em fevereiro a categoria teria notificado a Sesab, Ministério Público (MP) e o Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb) sobre a possibilidade de paralisar caso não houvesse negociação com uma proposta concreta, o que não foi atendido pela secretaria. "Na segunda-feira sentamos mais uma vez para tentar uma solução e objetivamente a Sesab não demonstrou interesse em resolver o problema, então tomamos esta medida extrema", frisou. Um médico cirurgião, que preferiu não ser identificado, reclamou da falta de condições de trabalho para os profissionais que precisam conviver como a falta de leitos e de materiais, de medicamentos e e profissionais como enfermeiros e técnicos em enfermagem para atender a demanda. "Como podemos dá um atendimento de qualidade de não há vagas na UTI e os pacientes ficam no Centro Cirúrgico, sem profissionais suficientes para prestar assistência, o que acaba por sobrecarregar os poucos que estão trabalhando. Além disto, a emergência não funciona como deve ser e torna-se um local impróprio tanto para nós como para os pacientes", destacou. Embora a direção do HGCA tenha garantido que os procedimentos cirúrgicos não estavam suspensos, teve pacientes que não foram atendidos. Como Ana Maria Silva que estava com uma cirurgia eletiva marcada para ontem, foi pega de surpresa ao tomar conhecimento que o procedimento não seria realizado. "É um absurdo nós acordamos cedo, pagamos transporte e agora o médico não está para fazer a cirurgia. Acho que eles podem reivindicar, mas não prejudicando a gente que somos os mais fracos", reclamou. Supresa O chefe de gabinete da Sesab, Paulo Barbosa passou a manhã no HGCA para tentar resolver a situação. Ele informou que a secretaria foi surpreendida com a decisão dos profissionais, já que as negociações estão acontecendo de forma acelerada e que em oficio encaminhado ao órgão o Sindimed informou que o prazo para paralisação havia sido prorrogado para 14 deste mês. "Segunda tivemos uma reunião onde discutimos vários pontos e não houve sequer uma pontuação de que eles poderiam parar hoje ou que as negociações haviam sido cessadas. Então hoje somos surpreendidos por esta paralisação", afirmou. Ele revelou que apenas os cirurgiões aderiram a entrega do cargo, já que os ortopedistas haviam solicitado um reajuste no valor dos plantões e a secretaria aceitou devendo apenas informar o percentual. "Os cirurgiões pediram para passar para CLT, aceitamos mas eles querem um valor acima do que se pode pagar. Eles querem R$ 9.200, quando pagamos a um médico concursado da casa R$ 5.200, apenas esta pendência nos impede de assinar as carteiras", informou. Paulo Barbosa informou ainda que os cinco cirurgiões que estavam de plantão não compareceram a unidade, então outros profissionais estavam sendo acionados para substituí-los. "Não vou garantir que teremos o mesmo número de profissionais hoje, mas os casos que não pudermos atender iremos agilizar a regulação para outras unidades. Uma coisa eu afirmou que a nossa preocupação no momento é garantir a assistência a população", garantiu. Confira as reivindicações dos médicos para melhorias do HGCA A adequação estrutural mínima para liberação de Alvará de Funcionamento, emitido pela Vigilância Sanitária; Reforma imediata das instalações de Estar Médico; Contratação de profissionais de saúde para viabilizar o funcionamento pleno do Centro Cirúrgico 24h por dia – 04 enfermeiros e 12 técnicos em enfermagem; Abertura imediata do CRPA (setor de pós-cirúrgico) com contratação de 05 enfermeiros e 08 técnicos em enfermagem; Funcionamento pleno do serviço de Radiologia, com médico radiologista de plantão e realização 24h de Ultrassonografia e Tomografia de Abdômen com emissão de laudo; Aquisição de aparelhos e instrumental para cirurgia Videolaparoscópica; Aquisição de Material para funcionamento pleno do serviço de Urologia (Cistoscópio; Ressectoscópio); Implementação do Serviço de Endoscopia Digestiva com possibilidade terapêutica; Contratação de técnicos de enfermagem para garantir assistência aos pacientes nas enfermarias; Aquisição de caixas de instrumental cirúrgico para evitar postergar cirurgias por indisponibilidade de material esterilizado; Garantir funcionamento em tempo integral das Cirurgias ortopédicas, disponibilizando técnico em radiologia para radioscopia em centro cirúrgico e material para cirurgia ortopédica; Ampliação de leitos de enfermaria Cirúrgica; Garantia que não mais ocorrerá a falta constante de medicamentos e materiais médicos essenciais, como antibióticos, fitas de glicemia, anti-hipertensivos, enoxaparina, material de curativo, água para injeção, etc.